Monthly Archive for May, 2011

Debate em Lisboa sobre as línguas portuguesa e espanhola diante da economia

Académicos, gestores, agentes culturais e jornalistas vão debater em 19 de maio, na sede do Instituto Camões, em Lisboa, as ligações entre línguas e economia, num fórum promovido conjuntamente pelo Instituto Camões (IC), Instituto Cervantes, de Espanha, e Casa da América Latina,  com o apoio da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa, da Secretaria-geral Ibero-Americana e da União Latina.

O fórum, que ocorrerá entre as 9:30 e as 18:00, será encerrado por Ana Paula Laborinho, Presidente do Instituto Camões, e por Carmen Pérez-Fragero, Secretária-geral do Instituto Cervantes, que falarão da promoção conjunta das línguas portuguesa e espanhola.

A Presidente do IC e o Diretor do Instituto Cervantes de Lisboa, José María Martín Valenzuela, farão as intervenções de abertura do seminário, tal como o Secretário-geral da Casa da América Latina, Alberto Laplaine Guimarães.

De acordo com os organizadores, o fórum tem «o objetivo de lançar o debate sobre o valor da língua portuguesa e da língua espanhola, considerando as suas estratégias de internacionalização e de cooperação no sentido da afirmação do espaço ibero-americano e demais territórios das duas línguas no mundo». «As dimensões em análise serão o investimento e o comércio externo, as indústrias da língua, da cultura e da comunicação», acrescentam.

No seminário, os participantes poderão ouvir responsáveis pelas equipas que, em Portugal e Espanha, fizeram estudos sobre o valor económico do português e do espanhol.

Luís Reto, reitor do ISCTE-IUL, dirigiu a equipa de investigadores do seu instituto que apresentou em 2008 o estudo relativo a Portugal, encomendado pelo IC em 2007, e que revelou representar a língua portuguesa 17% do PIB nacional.

Do lado espanhol estará presente o economista José Luís Garcia Delgado, catedrático da Universidade Complutense, que juntamente com os professores José Antonio Alonso e Juan Carlos Jiménez publicou um estudo sobre a importância económica do espanhol, na sequência de investigações realizadas desde 2005.

A primeira sessão do seminário, sobre ‘línguas, comércio externo e investimento estrangeiro’ terá como moderador Adriano Moreira e compreenderá dois painéis, o 1º sobre perspetivas institucionais, com representantes do ICEX espanhol e da AICEP portuguesa, e o 2º sobre perspetivas empresariais, com representantes da GALP, Repsol, Santander e BES.

À tarde, depois da sessão sobre o ‘valor económico das línguas portuguesa e espanhola’, que terá moderação de Maria de Lurdes Rodrigues, Presidente da FLAD, seguir-se-á a sessão relativa a ‘línguas, cultura e comunicação’, moderada pelo deputado José Ribeiro e Castro, Presidente da Comissão de Negócios Estrangeiros e Comunidades Portuguesas da Assembleia da República.

O 1º painel desta sessão, sobre ‘economia da cultura’, contará com a participação de José Pedro Ribeiro, Diretor do ICA (Portugal) e Benito Burgos, assessor técnico do Diretor do ICAA, Instituto de Cinematografia de Espanha. O 2º painel, sobre ‘informação e cultura’, terá como oradores Manuel Lucena Giraldo, do CSIC (Consejo Superior de Investigaciones Científicas, a maior instituição pública espanhola dedicada à investigação) e membro do Conselho do ABC Cultural, e José Carlos Vasconcelos, Diretor do Jornal de Letras.

Durante os trabalhos estará patente ao público, uma exposição bibliográfica de obras sobre a língua portuguesa e língua espanhola.

Programa Completo

Tudo vale a pena quando a alma não se apequena

Encontra-se disponibilizado no Portcom, Portal de Livre Acesso à Produção das Ciências de Comunicação, um estudo, da autoria de Luíza Beatriz Amorim Melo Alvim, mestre em Letras pela Universidade Federal Fluminense, do Rio de Janeiro, publicado originalmente no Anuário Internacional de Comunicação Lusófona 2006, e intitulado “Reafirmação da identidade e da cultura portuguesas em Manoel de Oliveira e José Saramago”.

O estudo desenvolve uma análise de dois filmes de Manoel de Oliveira, “Um filme falado” (2003) e “O Quinto Império – Ontem como Hoje” (2004), e ainda do livro “A jangada de pedra”, de Saramago, buscando, no entrecruzamento dessas obras, os rastros dos anseios de grandeza de Luís de Camões e Fernando Pessoa em relação ao idioma e ao Estado portugueses.

No resumo de seu texto, a autora começa chamando a atenção para o estatuto ainda “minoritário” do idioma no mundo, a despeito de ser uma das 10 línguas mais faladas na atualidade. Para sumular sua exposição, segue desfiando:

Porém o atual Estado português não se equipara ao seu passado de império ultramar. Revendo essa situação, o cineasta Manoel de Oliveira  e o escritor José Saramago costumam tematizar em suas obras a dificuldade de lidar com o esse estatuto minoritário e buscam defender a dignidade portuguesa. Dois temas estão marcadamente presentes nas suas obras: a valorização da identidade e da língua portuguesa e a viagem como forma de sua reafirmação, seja refazendo caminhos de antigos exploradores portugueses dos séculos XV e XVI ou revisitando momentos importantes da história de Portugal.

Encontra-se disponibilizado no Portcom, Portal de Livre Acesso à Produção das Ciências de Comunicação, um estudo, da autoria de Luíza Beatriz Amorim Melo Alvim, mestre em Letras pela Universidade Federal Fluminense, do Rio de Janeiro, publicado originalmente no Anuário Internacional de Comunicação Lusófona 2006, e intitulado “Reafirmação da identidade e da cultura portuguesas em Manoel de Oliveira e José Saramago”.

O estudo desenvolve uma análise de dois filmes de Manoel de Oliveira, “Um filme falado” (2003) e “O Quinto Império – Ontem como Hoje” (2004), e ainda do livro “A jangada de pedra”, de Saramago, buscando, no entrecruzamento dessas obras, os rastros dos anseios de grandeza de Luís de Camões e Fernando Pessoa em relação ao idioma e ao Estado portugueses.

No resumo de seu texto, a autora começa chamando a atenção para o estatuto ainda “minoritário” do idioma no mundo, a despeito de ser uma das 10 línguas mais faladas na atualidade. Para sumular sua exposição, segue desfiando:

Porém o atual Estado português não se equipara ao seu passado de império ultramar. Revendo essa situação, o cineasta Manoel de Oliveirae o escritor José Saramago costumam tematizar em suas obras a dificuldade de lidar com o esse estatuto minoritário e buscam defender a dignidade portuguesa. Dois temas estão marcadamente presentes nas suas obras: a valorização da identidade e da língua portuguesa e a viagem como forma de sua reafirmação, seja refazendo caminhos de antigos exploradores portugueses dos séculos XV e XVI ou revisitando momentos importantes da história de Portugal.

O texto pode ser obtido neste link:

http://revcom2.portcom.intercom.org.br/index.php/anuariolusofono/article/viewFile/1215/960

Algumas Diferenças entre o espanhol e o português

O espanhol e o português são línguas indo-europeias derivadas do latim que se desenvolveram na Península Ibérica durante aproximadamente o mesmo período. Embora as duas línguas estejam intimamente relacionadas pela origem e região de seu desenvolvimento, entre elas existem diferenças importantes que podem criar problemas para falantes de uma ao tentar aprender a outra.

Apesar do fato de seus léxicos conterem bastantes elementos similares, os idiomas diferem significativamente na pronúncia e na semântica ou uso das palavras. Foneticamente, o português é mais próximo ao francês ou ao catalão, enquanto que a pronúncia do espanhol está muito mais perto do italiano. O português inclui um inventário fonêmico maior do que o espanhol, o que explica ser o primeiro geralmente mais difícil de entender para os falantes do outro do que vice-versa, apesar da grande quantidade de semelhança léxica entre ambos os idiomas. Justamente nesse aspecto do léxico, conjugado com a semântica, reside uma das principais barreiras entre as duas línguas, que são os falsos cognatos ou cognados, os “falsos amigos”.  Alguns parágrafos mais abaixo, forneceremos uma ilustração a respeito desses amigos não ‘muy’ amigos.

Para revelar que a estruturação fonêmica do espanhol apresenta menos variedade que o português, basta saber que neste existe muito mais sons vocálicos. Enquanto no primeiro as vogais não apresentam qualquer alteração, ou seja, permanecem fixas na sua pronunciação, no outro há enorme gama de alterações admitidas, por conta da sua pronúncia aberta ou fechada, e nasalizada ou não nasalizada, assim enriquecidas de nuances no Brasil pela importante mescla com línguas africanas.

As diferenças linguísticas entre o espanhol e o português se revelam ainda mais marcantes na língua escrita do que na língua oral, por causa das diferenças nas convenções ortográficas. Contudo, as duas línguas compartilham muito vocabulário que se escreve exatamente ou quase igual (mas pode pronunciar-se em muitos casos de modo um tanto diferente, como nos casos de alteração do lugar da sílaba tônica, e nos casos do som próprio que certas consoantes e encontros consonantais têm em cada idioma).

As diferenças em matéria de vocabulário entre ambas as línguas evoluíram por causa de vários motivos:

  • Enquanto o espanhol reteve a maior parte do seu vocabulário moçárabe, ou seja, de origem moura, a influência do substrato moçárabe no léxico do português foi menor. Ao longo do tempo e em muitos casos, palavras de origem árabe foram substituídas no português pelas correspondentes formadas de suas raízes no latim.
  • Durante o desenvolvimento dessas línguas na Idade Média e Renascimento, o espanhol manteve-se mais autônomo, enquanto que o português foi mais influenciado por outras línguas europeias, a exemplo do francês.
  • O espanhol e o português incorporaram diferentes influências das línguas ameríndias, africanas e asiáticas.

O espanhol e o português compartilham vários cognatos ou cognados, palavras cujos significados podem ser mais amplos em uma língua do que em outra. Por exemplo, o espanhol diferencia entre o adjetivo mucho e o advérbio muy. O português usa a forma muito para essas duas categorias gramaticais. Dentro desse universo dos cognatos, há uma série de termos, chamados de “falsos amigos”, que representam uma das principais barreiras a serem transpostas pelos falantes de um idioma quando passam a aprender o outro.

Como ilustração desses “falsos amigos”, ou seja, palavras de ambas as línguas que “traiçoeiramente” se escrevem de maneira igual ou quase semelhante, mas possuem significados ou usos bem distintos, vejam-se alguns casos:

Português Espanhol
Abono: garantia gratificação. Abono: assinatura, mensalidade; adubo.
Aceite: aceitação, endosso. Aceite: óleo, azeite; óleo lubrificante.
Acordar: despertar. Acordar: lembrar(-se); decidir, combinar.
Acreditar: crer Acreditar: comprovar; creditar.
Ano: ano Ano: ânus.
Apelido: alcunha (Brasil) Apellido: sobrenome.
Balcão: mostrador, barra divisória. Balcón: sacada.
Barata: inseto pestilento. Barata: coisa de pouco valor financeiro.
Borrar: manchar. Borrar: apagar.
Borracha: goma de apagar. Borracha: bêbada.
Botequim: bar. Botiquín: estojo de primeiros socorros.
Carpete: tapete. Carpeta: pasta.
Cena: cena. Cena: jantar.
Cola: substância para unir por contato. Cola: rabo, cauda; fila.
Embaraçada: confundida, atordoada. Embarazada: grávida
Emborrachar: engomar. Emborrachar(se): embriagar(-se).
Engraçado: gracioso, divertido. Engrasado: lubrificado, engordurado.
Esquisito: raro, estranho. Exquisito: excelente, delicioso.
Faro: olfato. Faro: farol.
Fechar: cerrar. Fechar: datar.
Ganância: ambição. Ganancia: ganho, lucro.
Graxa: betume.
Graça: favor; benefício; perdão; estado abençoado; nome da pessõa.
Grasa: gordura.
Oi: Olá. Hoy: hoje.
Jugo: submissão ao poderio e violência de um, vários ou muitos. Jugo: suco.
Largo: amplo. Largo: comprido, longo.
Latido: Comunicação dos cães. Latido: batida do coração.
Ligar: chamar por telefone; unir coisas. Ligar: paquerar.
Logro: fraude, trapaça. Logro: sucesso, êxito.
Mala: valise. Mala: má.
Ninho: Abrigo ou casa de pássaros e aves. Niño: criança, menino.
Oficina: Estabelecimento especializado em consertos. Oficina: escritório.
Osso: matéria dura do esqueleto dos vertebrados. Oso: urso.
Polvo: denominação comum a diversos moluscos. Polvo: pó, poeira.
Prender: deter; sujeitar. Prender: acender.
Rascunho: esboço. Rasguño: arranhão.
Rato: camundongo. Rato: momento, curto espaço de tempo.
Reto: sem curva ou que segue em linha reta, não torto; ânus. Reto: desafio.
Risco: perigo. Risco: penhasco.
Saco: Bolsa ou outro invólucro feito de papel, plástico, tecido etc. para guardar coisas. Saco: paletó.
Salada: Prato de verduras ou legumes. Salada: salgada.
Solo: chão; superfície. Solo: só, sozinho.
Taça: Copo provido de pé, especial para champanhe, vinho. Tasa: taxa.
Tirar: retirar; despir, descalçar. Tirar: jogar fora; chutar; atirar; esticar; esbanjar; abrir (uma porta)
Todavia: no entanto; mas, porém, contudo. Todavia: ainda.


Algumas diferenças gramaticais.

Em termos gerais, as gramáticas do português e do espanhol não variam consideravelmente. Entretanto, existem diferenças relevantes quanto ao uso de artigos, possessivos e outros pronomes, de preposições e de alguns tempos verbais.

O espanhol não admite artigo definido diante de seus ‘possessivos átonos’, ao contrário do que se passa com seus pronomes correspondentes em português.

Português Espanhol
Esta é a minha casa. Esta es mi casa.
Não quis me emprestar o seu carro. No quiso prestarme su coche.
Ele/Ela não quis me emprestar o carro dele/dela. Él/Ella no quiso prestarme su coche.

 

Diferentemente do espanhol, o português admite emprego dos possessivos para se referir às partes do corpo, a acessórios e à roupa.

Português Espanhol
A minha cabeça está doendo. Me duele la cabeza.
João, põe/ponha o seu agasalho. Juan, ponte el abrigo.


Colocação pronominal

Enquanto no espanhol as regras são fixas e idênticas tanto na língua escrita como na falada, em português a colocação pronominal pode variar.

Em português, na língua oral há a tendência de omitir os pronomes em função de seus complementos.

Português Espanhol
– Não sei onde coloquei as chaves.- Então procure (procure-as). Mas não procure (as procure) agora porque temos que ir embora. – No sé dónde he puesto las llaves- Pues búscalas. Pero no las busques ahora que nos tenemos que ir.

O português admite pronomes entre o verbo flexionado e o gerúndio e o infinitivo, fato que não se dá no espanhol (neste, somente antes do verbo flexionado, ou agregado ao final das formas do gerúndio e infinitivo).

Português Espanhol
A Rosa ligou. Disse que está teesperando na lanchonete.Tenho que te contar uma novidade. Ha llamado Rosa, dice que te está esperando / dice que está esperándoteen la cafetería.Tengo que contarte/Te tengo que contar una novedad.

 

Preposições

Em português existem muitas contrações de preposições e artigos. Algumas delas:

da = de + a

no = em + o

numa = em + uma

pelo = per + o

dessa = de + essa

naquela = em + aquela

nisto = em + isto

neste = em + este

deste = de + este

Em espanhol somente são admissíveis em dois casos:

al = a + el

del = de + el

Em outros posts, para os quais – oportunamente – indicaremos os links diretos para o seu conteúdo aqui, abordaremos mais aspectos distintivos ou contrastivos entre os dois idiomas, por demais úteis para evitar equívocos frequentes quando o falante natural de um passa aprender o outro.

*Todos os exemplos acima foram selecionados, com algumas adaptações, de Gramática Contrastiva Del Espanhol Para Brasileños, escrita por Concha Moreno e Gretel Eres Fernández, editado pela Sociedad General Española de Librería, em 2007


TransPortuguese em Facebook

Acompanhe nosso blog

Enter your email address:

Delivered by FeedBurner